terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Eis um Pequeno Fato: Você vai morrer. #3

 

Laços Eternos 


_ Porque ainda vive?
Foi a pergunta que ouvi, deitada naquela cama de hospital. Abri rapidamente meus olhos e vi um rosto fino e pálido bem perto do meu, com os cabelos pretos caindo em cascata sobre a roupa branca, provavelmente roubada da sala dos enfermeiros. Pisquei algumas vezes, para me certificar que não era mais uma das minhas alucinações, causadas pelos remédios que de meia em meia hora me traziam aos montes. Ainda sem entender como a deixaram entrar, esforcei-me para levantar: sem sucesso. Tentei então gritar, só saindo da minha boca uma espécie de grasnido.
_ Não adianta, sou eu quem ficou para a vigília dessa noite. – Com um sorriso de lado, Charlotte completou meu desespero. – Seu quadro permanecia estável, então deixaram que seu noivo fosse descansar. O médico teve uma emergência, então me ofereci para cuidar de você.
Detalhes como a palavra “permanecia” e seu sorriso crescente me fez perceber minha morte iminente. O medo penetrou em minhas veias só de pensar em passar meus últimos minutos com o motivo de eu estar ali.
_ Pensa que pode dar uma de vítima comigo, Violet? Conheço-te mais do que imagina. Sei exatamente o que tentou fazer, mantendo-me afastada desse lugar como se eu fosse a verdadeira culpada dos seus atos sujos.– Despejou Charlotte, sem respirar, transtornada. – Você sempre foi a mais cruel, mas fui eu quem herdou os neurônios do papai.
_ Como... Você... Aqui? - tentei, inutilmente, formular uma frase em meio aquele turbilhão de pensamentos.
_ Realmente pensou que ficaria impune? De início eu queria voltar para contar a todos o que vi aquela tarde, mas assim que consegui uma brecha para sair daquele sanatório, a única coisa que me veio em mente foi te mostrar o estrago que me causou, o monstro que me tornaste.
Tremi ao perceber que ela havia encarnado o personagem que criei. Eu não a via desde que foi para aquela instituição psiquiátrica, agora não me parecendo mais tão bonita e saudável como antes. Seus olhos tinham um fundo de desespero, e sua voz tinha o perfeito tom da loucura, que eu mesma havia causado.
_ Acalme-se, não faça nada que vá se arrepender – balbuciei, certa de que nada que dissesse mudaria meu fim, já que era por mim que ela veio, obstinada a acabar com minha farsa.
Uma gargalhada fez-se ouvir pelo quarto.
_ Não falamos do que não sabemos garota! Já pensou em arrepender-se por eu ter parado naquele lugar? Já se arrependeu por ter matado nosso pai? Faça-me o favor! Existem duas coisas que não me arrependerei nunca: ter te jogado dentro daquela estufa em chamas, junto com ele e essa noite. Vê aquele céu brilhando? São as estrelas comemorando sua ida pro inferno.
Sua mão fria aproximou-se, colocando um pano no meu rosto. Minha visão começou a ficar turva, e não consegui mais ver seu rosto. Senti Charlotte tirando um a um os fios que me levavam o soro.
_ Percebe agora que subestimou minha insanidade? 

"À pessoa mais importante da minha vida".


 Siga: @JoFreire_S


3 comentários:

  1. Aí Jô, parabéns!
    Continue escrevendo.

    ResponderExcluir
  2. Esqueci de falar: MEU DEUS, NÃO TEM NENHUMA VIRGÍNIA NO TEXTO! HAUEHAEUAHEUAHE'

    ResponderExcluir
  3. Jordana , você escreve muito bem , sério.
    Continue escrevendo mesmo , por que tá muito bom, sua fofa. Apaixonei com os textinhos. *-*
    E você tá linda nessa foto (:
    Beijinhos , Nicole.

    ResponderExcluir